feminefisioterapia

Radiofrequência mono, bi ou tripolar? Qual é a melhor?

Posted on: 26/04/2011

Em outro post mostramos a técnica de Radiofrequência como sendo uma opção para o tratamento da flacidez de pele e da amenização de rugas e linhas de expressão através do estímulo sobre o tecido cutâneo à proliferação de novas fibras colágenas. Este procedimento é considerado inovador, pois não são necessários cuidados extras após o procedimento, o que não afeta o ritmo de vida da mulher moderna.

A aplicação da Radiofrequência nas disfunções dermatológicas ainda é muito recente. Seu uso foi liberado nos Estados Unidos apenas em 2002 pela US Food and Drug Adminstration (FDA). Desde lá, muitos aparelhos vêm surgindo e a técnica tem sido refinada, cada vez mais, para que melhores resultados sejam alcançados e a segurança do paciente seja garantida.

Logo, surgem no mercado várias opções de tratamento com Radiofrequência. Você deve se perguntar qual é a diferença entre tantos tipos de Radiofrequência. Monopolar, bipolar ou tripolar? Qual seria a melhor?

Primeiramente entenda como a onda de Radiofrequência é gerada:

  1. O equipamento é conectado a uma fonte de energia elétrica para gerar a corrente de Radiofrequência.
  2. Esta corrente penetra nos tecidos através de eletrodos de contato.
  3. A circulação da corrente entre os eletrodos é que vai aumentar a temperatura na área tratada.

As diferenças entre os tipos de Radiofrequência estão no item 2, ou seja, na configuração dos eletrodos que alteram a maneira como a corrente penetra no tecido. Então:

Radiofrequencia Monopolar

É a primeira geração de equipamentos que surgiu. A corrente é gerada e penetra na pele através de um cabeçote móvel até uma placa de retorno que é colocada em uma região distante da área de tratamento. A energia se concentra próxima ao cabeçote e diminui rapidamente com a distância chegando até uma profundidade de 6 mm. Os primeiros equipamentos combinavam juntamente com o aquecimento propriedades de resfriamento, além de utilizar anestesia tópica. Hoje em dia, com a criação de novos aparelhos, isso não é mais necessário. Um exemplo dessa modalidade é o aparelho Spectra da marca Tonederm.

 

Radiofrequência Bipolar

É a segunda geração. Nesta, os eletrodos de saída e retorno da corrente estão no próprio cabeçote. Portanto, na Radiofrequência Bipolar não é necessário a placa de retorno. A energia gerada por esse dispositivo teria um efeito mais superficial de até 2 mm de profundidade. Dessa maneira, menos corrente é requerida para atingir o mesmo efeito, pois a corrente passa através de um pequeno volume de tecido. Podemos citar como modelo da Bipolar o aparelho Accent da marca Alma Lasers.

Radiofrequência Tripolar

É a terceira geração de equipamentos desenvolvida. O desenho tripolar é baseado em três ou mais eletrodos. Como nos outros tipos de Radiofrequência, a energia é gerada quando a corrente passa entre os eletrodos. A profundidade da penetração é aproximadamente a distância média entre os três eletrodos. O aparelho Hertix, da marca KLD apresenta um cabeçote aplicador nesse modelo.

 

Portanto, o que difere entre tantos equipamentos é a configuração dos eletrodos, sendo a interação entre a corrente e o tecido similar. Ainda não encontramos estudos comparativos entre os equipamentos. Mas sabendo que todos emitem a energia de Radiofrequência, que é responsável pelas mudanças em sua pele, cabe ao profissional competente usar o aparelho da maneira adequada à disfunção e aliar outros recursos para potencializar os resultados.

13 Respostas to "Radiofrequência mono, bi ou tripolar? Qual é a melhor?"

olaa gostaria de saber qual desses aparelhos de radiofrequencia e melhor pra tratar godura localizada e celulite..tenho muuuitas clientes gordinhas,e nao sei bem qual melhor..se vc s pudessem me ajudar seria otimo
obrigada desde ja
Daniely

Olá! Desculpe-me a demora em responder à pergunta. Mas então, depende de quanto você deseja investir no equipamento. Além disso, cada aparelho tem um manejo diferente e em todos o aquecimento que você tem que alcançar em cada patologia é o mesmo. Por exemplo, na gordura localizada é necessário uma temperatura mais elevada do que em um fibroedemagelóide duro. Alguns equipamentos mais caros tem potências maiores que aquecem mais rápido e, portanto, a área de abrangência para corporal é maior. No final… você que vai ter que fazer a escolha.

ola eu gostaria de saber, qual é o mais adequado para fazer tratamentos de rosto, será o monopolar, que atinfe uma maior profundidade, e gera menos calor?

Olá!
Partindo do princípio que os tratamentos faciais giram em torno de melhora de flacidez e rugas, você deve ter em mente apenas a temperatura alvo para o tratamento dessas afecções. O fato de ser monopolar não está diretamente relacionado a geração de calor. A potência é que está, como já explicado. Pensado subjetivamente, a espessura da pele facial é menor que da pele corporal e, nessa suposição, uma bipolar seria mais interessante. Mas isso é apenas uma suposição pessoal.

QUAL SERIA A POTENCIA IDEAL PARA UM TRATAMENTO DE FLACIDEZ?

Olá!
A potência siginifica, a grosso modo, quanto de força o equipamento tem para gerar RF e aquecer a pele. Portanto, como já mencionado, você precisa saber qual temperatura você deve atingir para flacidez e o tempo de manutenção no tecido.

Olá gostaria de entender melhor. Então a melhor seria a radio monopolar, por ir mais fundo ou a tripolar que gera mais calor? me explique por favor;
Obrigada;
Gisele

Olá Gisele!
Na verdade não conheço estudos científicos comparativos das técnicas. Quanto a profundidade de penetração, deve-se lembrar que o tecido cutâneo e subcutâneo têm poucos milímetros de espessura, então as duas atingem essses tecidos. Quanto à geração de calor, é preciso saber que temperaturas muito elevadas desnaturam o colágeno, e portanto, destruir o colágeno realmente não é o seu objetivo. Logo, a melhor escolha é aquela que se adapte aos seus objetivos. Vale a pena fazer treinamentos e testes para conhecer os diversos equipamentos existentes no mercado.

Gostaria de saber qual dessas frenquencia seria melhor no tratamento de flacidez, celulite?
Quanto maior a profundidade que a radiofrenquencia vai atingir o tecido, melhor é?
Eu tenho o hertix, ele pode ser comparado ao accent?

aguardo retorno

Olá!
A radiofrequência é sim indicada para o tratamento de celulite e flacidez em qualquer uma de suas modalidades – monopolar ou bipolar. O importante é avaliar a área a ser tratada e optar pelo modo como vai se aplicar a técnica, no que diz respeito à temperatura. A principal diferença entre os equipamentos é referente à potência, que vem em Hz, KHz, MHz. Equipamentos mais potentes aquecem com maior rapidez que outros, o que proporciona uma sessão mais rápida e a oportunidade de aplicar em uma região mais extensa.

adorei encontrar este site. Gostaria de saber sobre uma matéria que eu li sobre o produto Tripollar Stop e Tripollar Pose mas eu moro no estado do rio e infelizmente não tenho como comprar fora do Brasil

Olá Fatima
Eu Tenho o tripolar Stop facial ,se tiver interesse conheça minha loja http://www.vivermelhor9.com.br/categoria/EST%C9TICA/
Att
Claudia

Meninas, Parabéns pela matéria!

abraço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: