feminefisioterapia

Proteção solar mediada por carotenóides

Posted on: 10/11/2011

 

Todos sabem que a exposição solar em horários inapropriados e sem proteção só traz malefícios à saúde da pele. Uma queimadura é a reação mais comum encontrada depois de longos períodos sob o sol, sem falar no envelhecimento cutâneo, nas discromias e no câncer de pele.

Para muitas pessoas o período de verão e férias é sinônimo de pegar uma “corsinha”, ou seja, um bronzeado. Existem aquelas que buscam um melhor bronzeado a partir da ingestão de substâncias ricas em carotenóides, seja por meio de alimentos como cenoura, mamão, laranja ou por meio de cápsulas de betacaroteno. E elas estão certas! A fotoproteção sistêmica através de componentes endógenos oferece uma importante contribuição para a defesa da pele dos raios ultravioletas (UV).

Veja os mecanismos de ação:

  • Aumento da barreira contra a luz UV, como com compostos q absorvem o UV;
  • Proteção de células contra radicais livres, como substâncias antioxidantes;
  • Reparo dos danos induzidos pelo UV pelo estímulo de sistemas de reparo;
  • Supressão de respostas celular, como os anti-inflamatórios.

 

Nesse contexto, os carotenóides participam de um grupo de micronutrientes que contribuem para a defesa antioxidante e para a fotoproteção endógena. Carotenóides como pigmentos vegetais têm a função de proteger a planta contra o excesso de luz. Estão entre as principais substâncias capazes de se ligar aos radicais livres para proteger o organismo. Então, na pele humana, esse grupo de nutrientes está presente nos locais onde a luz UV causa danos na pele ou no olho. Os carotenóides contribuem significativamente para a cor normal da pele humana, em particular a amarelada.

Incluí-los na dieta é ótimo! Estudos mostraram que uma dieta rica em licopeno (carotenóide do tomate) eleva os níveis sanguíneos dessa substância e fornecem proteção depois de 10 semanas, evidenciado a partir de uma menor formação do eritema solar (queimadura, vermelhidão).

Mas se é difícil alimentar-se de uma maneira mais saudável, recorrer a cápsulas pode ser uma saída. Outras pesquisas confirmam que a suplementação orientada diminui a intensidade do eritema solar após um mínimo de 7 semanas de ingesta. Um profissional capacitado poderá orientar quanto a dose de betacaroteno, pois doses elevadas podem desencadear até câncer, segundo outro estudo.

 

Portanto, os carotenóides, pela função protetora que exercem, permitem a pigmentação da pele com maior segurança. Porém, não adianta começar a ingeri-los e não atentar para os outros cuidados necessários para a exposição solar.

 

Lembrando:

Os carotenóides são pigmentos naturais responsáveis pelas cores de amarelo a laranja ou vermelho de muitas frutas, hortaliças, gema de ovo, crustáceos cozidos e alguns peixes.

 

SIES H, STAHL W. Nutritional Protection Against Skin Damage From Sunlight.  Annu. Rev. Nutr. 2004.

RODRIGUES-AMAYA DB, KIMURA M, AMAYA-FARFAN J. Fontes Brasileiras de Carotenóides Tabela Brasileira de Composição de Carotenóides em Alimentos. 2008.  

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: